Outono na serra

Cor e frutos de Outono

Os alemães, um pouco como todos os povos ocidentais, identificam o Outono (der Herbst) com o pôr do sol (der Untergang). É como se nos impusessem um recolhimento obrigatório para uma espécie de penumbra existencial. Eu adoro o Outono. Faz-me lembrar a dureza e a beleza da palavra, da solitude, dos dias castanhos e frios, onde um vento furioso manifesta a sua vida e o seu sentido. Há algo de finitude no Outono e de saudoso também. A esse propósito lembro-me todos os anos, por esta altura, de dois registos impressionantes. O primeiro registo trata-se de uma passagem da obra O Tempo esse grande escultor, de Marguerite Yourcenar (Difel, 2001, p. 65) que descreve uma tragédia japonesa:

– durante a 2.ª Guerra Mundial, os jovens kamikaze, membros da mais alta nobreza nipónica, imbuídos de um espírito de missão, honra e servidão, despedem-se poeticamente da vida, embarcando na sua viagem sem retorno. Um desses jovens, ao partir para a morte, registou no avião o seu último desejo poético:

“Pudéssemos ao menos cair,

Como flores de cerejeira,

Tão puras e luminosas…”

img_0014

Tempo de limões

A segunda lembrança outonal diz respeito à  saudade e à melancolia dos judeus sefarditas, que outrora foram obrigados a abandonar a sua pátria (Portugal e Espanha) e a deambular sem destino pelo mundo. No livro Nidah, no capítulo 30, o poeta lança um lamento profundamente sentido:

“Um homem adormece aqui e tem os seus sonhos em Ispânia”.

Há algo de doloroso no Outono mas também de um encantamento indescritível.

Para terminar, gostaria de citar Aldo Leopold, um dos mais prestigiados conservacionistas e ecologistas do século XX. Quando publicou a sua obra Pensar Como Uma Montanha (no original, A Sand County Almanac), uma belíssima tradução portuguesa pela Edições Sempre-Em-Pé, referindo-se ao mês de Outubro, o mês outonal por excelência, escreveu o seguinte:

fullsizeoutput_889

“Os larícios mudam do verde ao amarelo quando as primeiras geadas trazem lá do norte a galinhola, o verdelhão raposa (passerella iliaca) e os junco de olhos negros (junco hymelis). Uma tropa de piscos esbulham as últimas bagas brancas das matas de cornisos, deixando os caules vazios como uma neblina rósea contra a colina. Os amieiros na borda do rio perderam as folhas, expondo aqui e ali um tufo de azevinhos. As silva brilham da cor do fogo, iluminando-nos os passos em direção aos galos silvestres.”

Este é o meu elogio ao Outono aqui na serra.

© Hélder Filipe Azevedo, 27.IX.2016


Categorias:Uncategorized

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

LIVRE - BRAGA

CHAMADA PARA A MUDANÇA

A CASA DOS PENSADORES

Incursões filosóficas, Jurídicas, Políticas e Afins

El vuelo de la lechuza

Filosofía, literatura, humanidades. Revista cultural de referencia

Fujifilm Corporate Blog

Explore the world of Fujifilm

The Insatiable Traveler

Travel inspiration, stories, photos and advice

QWF Writes

Quebec Writers' Federation. Two cents, once a month.

The Daily Post

The Art and Craft of Blogging

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.

%d bloggers like this: