O Ornitólogo (filme), de João Pedro Rodrigues

ornitologo

O Ornitólogo, Portugal, 2016.https://i1.wp.com/i.istockimg.com/file_thumbview_approve/18661172/3/stock-photo-18661172-five-pointed-star.jpghttps://i1.wp.com/i.istockimg.com/file_thumbview_approve/18661172/3/stock-photo-18661172-five-pointed-star.jpghttps://i1.wp.com/i.istockimg.com/file_thumbview_approve/18661172/3/stock-photo-18661172-five-pointed-star.jpghttps://i1.wp.com/i.istockimg.com/file_thumbview_approve/18661172/3/stock-photo-18661172-five-pointed-star.jpg

O conceituado realizador português João Pedro Rodrigues apresenta-nos, com O Ornitólogo, um filme idealista com um enfoque claramente teológico e escatológico.

Se com O Fantasma, havia uma visão puramente mundana, ligada aos elementos constitutivos primários do ser humano, como os desejos, o sexo ou o trabalho, e depois com Odete havia uma continuidade para o tema da morte, da perda e da diluição do ser vivente, aqui o realizador decidiu conjugar um Adão no paraíso com os ideais de reencarnação e ressurreição. Há um retorno a uma espécie de panteísmo da primeira modernidade, onde a trilogia Deus-Homem-Natureza (θεος, Ανθρωπος, Φυσις) imperava como sistema rígido. Deus sive natura, já havia proclamado Espinoza no século XVII. Neste filme visualmente belo, procura-se na simplicidade das aves, na solitude dos rios e na imponente serenidade das árvores, a manifestação de uma divindade perdida e esquecida. Procura-se nos amores e na contemplação as complexidades e múltiplas faces do divino. Procura-se também na noite a mão pesada do criador. Procura-se, enfim, um sentido para viver e para morrer, nem que seja um sentido delirante e desconexo.

O filme começa com uma citação sobre o espírito, a partir de uma homilia de Santo António em Forli. Como um alerta, os sinais multiplicam-se. O som desperta-nos como um chamamento, para presenciar uma tentativa de chegar ao absoluto por intermédio da simplicidade da natureza. Ora, como bem se vê, a natureza aparenta aquilo que não é. O devir existencial esconde domínios e estruturas que o ser humano não domina nem conhece. Nessa viagem de Adão no paraíso, onde não faltam os símbolos da teologia cristã – como a macieira, a pomba branca, os anjos abrindo a tumba, etc. – há espaço igualmente para o mundano que se pretende sacralizar. Por isso terminamos com a imagem de um reencarnado e de um ressuscitado dançando de mãos dadas em Pádua, numa concepção surrealista da espiritualidade. Um filme curioso!

Visto no dia 29.10.2016, no observatório de cinema “Close-up”, na Casa das Artes, em Vila Nova de Famalicão.

© Hélder Filipe Azevedo, 2016


Categorias:Uncategorized

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

LIVRE - BRAGA

CHAMADA PARA A MUDANÇA

A CASA DOS PENSADORES

Incursões filosóficas, Jurídicas, Políticas e Afins

El vuelo de la lechuza

Filosofía, literatura, humanidades. Revista cultural de referencia

Fujifilm Corporate Blog

Explore the world of Fujifilm

The Insatiable Traveler

Travel inspiration, stories, photos and advice

QWF Writes

Quebec Writers' Federation. Two cents, once a month.

The Daily Post

The Art and Craft of Blogging

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.

%d bloggers like this: