TRIBUNAL (filme), 2014

tribunal

TRIBUNAL, Índia, 2014.https://i1.wp.com/i.istockimg.com/file_thumbview_approve/18661172/3/stock-photo-18661172-five-pointed-star.jpghttps://i1.wp.com/i.istockimg.com/file_thumbview_approve/18661172/3/stock-photo-18661172-five-pointed-star.jpghttps://i1.wp.com/i.istockimg.com/file_thumbview_approve/18661172/3/stock-photo-18661172-five-pointed-star.jpghttps://i1.wp.com/i.istockimg.com/file_thumbview_approve/18661172/3/stock-photo-18661172-five-pointed-star.jpg

Court (no original) é um filme indiano, de 2014, dirigido por Chaitanya Tamhane, e que, além de ter sido o candidato oficial do país aos Óscares da Academia, venceu em alguns importantes certames internacionais.

Começa com um poeta/professor proferindo numa praça um poema cantado que falava da “humanidade que está na sua jaula, queimando-se e desintegrando-se”, um lugar inabitável onde se “esquecem dos bons e se louvam os inúteis”. A partir daqui, a trama desloca-se para um tribunal indiano onde o nosso poeta, Narayan Kamble, é acusado pelo Estado (polícia) de ser responsável pela morte de um pobre operário mineiro que havia sido encontrado morto e que testemunhas afirmavam ter-se suicidado incitado pelos poemas de Kamble.

O filme passa então a acompanhar a vida das quatro figuras fundamentais da trama, representativas, cada uma na sua distinta dimensão, da própria especificidade indiana. Acompanha o infortúnio do poeta que se vê enredado numa teia de especulação e abuso de autoridade. Acompanha a vida da advogada de acusação (equivalente ao nosso Ministério Público), uma burocrata sem grande profundidade intelectual mas que deseja progredir numa sociedade profundamente patriarcal. Acompanha também a luta do advogado de defesa, um penalista e defensor dos direitos humanos que luta contra uma sociedade que muitas vezes não compreende o alcance da lógica e da razão. E, finalmente, acompanha a vida do juiz do caso, um homem também ele produto de um sistema completamente arcaico e disfuncional.

O filme traz para o espectador uma perspectiva realista sobre as eternas questões sociais, como as questões de justiça e injustiça, a luta contra o autoritarismo e a perseguição policial, os direitos humanos, as desigualdades materiais, o absurdo enraizamento dos costumes e, também, o desequilíbrio entre um tempo que se devora a si mesmo e uma realidade que muitas vezes ultrapassa a ficção nos seus modos de ser.

Cerca de 120 minutos em que aprendemos muito sobre os outros, que podem não passar de nós próprios ao espelho.

Absolutamente fundamental! Nota 9/10

© Hélder Filipe Azevedo, 2016



Categorias:Uncategorized

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

LIVRE - BRAGA

CHAMADA PARA A MUDANÇA

A CASA DOS PENSADORES

Incursões filosóficas, Jurídicas, Políticas e Afins

El vuelo de la lechuza

Filosofía, literatura, humanidades. Revista cultural de referencia

Fujifilm Corporate Blog

Explore the world of Fujifilm

The Insatiable Traveler

Travel inspiration, stories, photos and advice

QWF Writes

Quebec Writers' Federation. Two cents, once a month.

The Daily Post

The Art and Craft of Blogging

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.

%d bloggers like this: