Filme: Midiendo el Mundo, 2012

midiendo_el_mundo_46700Midiendo el Mundo, Alemanha, 2012.https://i1.wp.com/i.istockimg.com/file_thumbview_approve/18661172/3/stock-photo-18661172-five-pointed-star.jpghttps://i1.wp.com/i.istockimg.com/file_thumbview_approve/18661172/3/stock-photo-18661172-five-pointed-star.jpghttps://i1.wp.com/i.istockimg.com/file_thumbview_approve/18661172/3/stock-photo-18661172-five-pointed-star.jpghttps://i1.wp.com/i.istockimg.com/file_thumbview_approve/18661172/3/stock-photo-18661172-five-pointed-star.jpg

Die Vermessung der Welt, no original, é um curioso filme alemão, de 2012, adaptado ao cinema a partir da obra homónima de Daniel Kehlmann (Traduzida em Portugal como A Medida do Mundo, pela editora Presença, em 2007). É um conto épico, em forma de sátira, sobre duas figuras históricas, prussianas, que viveram experiências únicas numa mesma época, entre finais do século XVIII e a primeira metade do século XIX. Trata-se do explorador e geógrafo Alexandre von Humboldt e do matemático Carl Friedrich Gauss. Ambos decidiram medir o mundo, literalmente, no entanto, enquanto Humboldt, proveniente de uma família muito rica, que o educou à base de aulas particulares, decidiu viajar pela América Latina, subir montanhas (como o Chimborazo), contactar tribos indígenas, desenhar e registar tudo o que a experiência lhe poderia proporcionar, Gauss, um pobre desgraçado, filho de gente humilde, que estudou graças a uma bolsa de estudo cedida por Carl Wilhelm Ferdinand, Duque de Brunswick, não saiu da sua Prússia natal. O naturalista Humboldt descobre o mundo, na companhia do francês Aimé Bonpland, despreocupadamente, enquanto Gauss vive permanentemente na penúria e no asfixiante ambiente da sua pátria iluminista mas acossada pelos desejos napoleónicos de subjugação. São duas figuras fascinantes.

O filme, em si, é muito curioso. Não é uma biografia, não é, nem mais ou menos, um documentário, nem sequer um drama histórico. É uma sátira que combina factos com exageros, histórias com contos, verdades com insinuações, tudo de forma muito leve. Além do mais, a história em si é bem contada e as imagens são pretensões realistas de época.

O jornal ABC definiu o filme como “Uma deslumbrante reconstrução de época, uma sátira de aventuras e uma parábola sobre a curiosidade humana” e o El Periódico, atribuindo 5 estrelas ao filme, conclui que se trata de “uma curiosa produção alemã que conta a história de duas eminências que estavam condenadas a encontrar-se“.

Vale a pena ver o filme e ler a obra, nem que seja para se conhecer, de uma forma descomprometida, ou seja, não académica, duas figuras singulares do património histórico e cultural europeu.

O filme não passou em Portugal mas existe a versão castelhana em DVD.

© Hélder Filipe Azevedo, 10 de Dezembro de 2016


Categorias:Uncategorized

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

LIVRE - BRAGA

CHAMADA PARA A MUDANÇA

A CASA DOS PENSADORES

Incursões filosóficas, Jurídicas, Políticas e Afins

El vuelo de la lechuza

Filosofía, literatura, humanidades. Revista cultural de referencia

Fujifilm Corporate Blog

Explore the world of Fujifilm

The Insatiable Traveler

Travel inspiration, stories, photos and advice

QWF Writes

Quebec Writers' Federation. Two cents, once a month.

The Daily Post

The Art and Craft of Blogging

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.

%d bloggers like this: