Sven Hedin (1865-1952)

“Nunca caminho sobre as minhas próprias pegadas. Vai contra a minha religião.”

Hedin foi um geógrafo sueco que teve a audácia de, no final do século XIX, atravessar o deserto Taklamakan (que significa “lugar sem retorno”). Registou nos seus diários todas as aventuras que viveu no oriente e pintou zonas desconhecidas dos europeus. Foi um personagem carismático mas de reputação duvidosa. Acima temos uma pintura que retrata Shigatse Dzong, a segunda cidade do Tibet, uma cidade proibida aos estrangeiros, mas que Hedin ousou contemplar em surdina, escondido, a partir das portas da cidade. Pintou-a de memória.

© Hélder Filipe Azevedo, 2017


Categorias:Uncategorized

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

LIVRE - BRAGA

CHAMADA PARA A MUDANÇA

A CASA DOS PENSADORES

Incursões filosóficas, Jurídicas, Políticas e Afins

El vuelo de la lechuza

Filosofía, literatura, humanidades. Revista cultural de referencia

Fujifilm Corporate Blog

Explore the world of Fujifilm

The Insatiable Traveler

Travel inspiration, stories, photos and advice

QWF Writes

Quebec Writers' Federation. Two cents, once a month.

The Daily Post

The Art and Craft of Blogging

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.

%d bloggers like this: