Sven Hedin (1865-1952)

“Nunca caminho sobre as minhas próprias pegadas. Vai contra a minha religião.”

Hedin foi um geógrafo sueco que teve a audácia de, no final do século XIX, atravessar o deserto Taklamakan (que significa “lugar sem retorno”). Registou nos seus diários todas as aventuras que viveu no oriente e pintou zonas desconhecidas dos europeus. Foi um personagem carismático mas de reputação duvidosa. Acima temos uma pintura que retrata Shigatse Dzong, a segunda cidade do Tibet, uma cidade proibida aos estrangeiros, mas que Hedin ousou contemplar em surdina, escondido, a partir das portas da cidade. Pintou-a de memória.

© Hélder Filipe Azevedo, 2017
Licenciado em Filosofia pela Universidade do Minho. Pós-graduado em Ética e Filosofia Política pela Universidade Católica Portuguesa. Pós-graduado em Direitos Humanos pela Universidade do Minho. Licenciando em Direito pela Universidade do Minho.

Leave a Reply