Pierre Teilhard de Chardin: A Nostalgia da Frente

Pierre Teilhard de Chardin foi um importante teólogo francês do século XX. Nasceu em Sacernat, a 1 de Maio de 1881 e foi o quarto filho de uma família de onze irmãos. Entrou para os jesuítas em 1899 e estudou filosofia e teologia. Entre 1906 e 1908 foi professor de Física no Cairo, onde adquire um certo gosto pela geologia e paleontologia. Foi ordenado padre em Hastings, em 1912.

Entre 1914-18 é recrutado para a grande guerra, lutando na frente de batalha, inserido no 4º Regimento de Zuavos, com o posto de Sargento-enfermeiro. No fim da guerra é agraciado com a Medalha Militar e a Legião de Honra.

[/audio

Em 1922, doutora-se em ciências e exerce o professorado no Instituto Católico de Paris. A partir de 1923 começam as suas expedições um pouco por todo o mundo. Vai à China, à Somália, à Birmânia, à África do Sul e à Índia.

Em 1950 é eleito membro da Academia Francesa de Ciências. É-lhe oferecido uma cátedra no Collège de France, mas não aceitou. É nomeado então adido da fundação americana para investigações antropológicas. A partir de 1951 fixa-se em Nova Iorque, mas em 1953 parte numa segunda missão à África do Sul. No fim, passa dois meses na sua França natal.

Morre em Nova Iorque a 10 de Abril de 1955, no dia de Páscoa.

Na sua obra Escritos do Tempo da Guerra expões o seu existencialismo puro e um espiritualismo cósmico que permanece pouco explorado. A meio da obra escreve um capítulo intitulado A Nostalgia da Frente onde materializa no papel toda essa experiência radical que viveu na frente de batalha. Para se compreender o alcance dessa exposição, pode escutar, acima, uma recitação da introdução ao capítulo.

Citação:

“(…) a Frente permanece para mim o Continente, cheio de mistérios e de perigos, que surgiu no nosso Universo de reconhecida falsificação. Vislumbro-o sempre como a fronteira do Mundo conhecido, a «Terra prometida» aberta aos audaciosos, a orla de no man’s land… 

Aqueles que sofreram, até à morte, de sede ou de frio, não podem mais esquecer os desertos ou os bancos de gelo onde experimentaram o extraordinário inebriamento de estarem sós e serem pioneiros.”

Em 1956, já depois da sua morte, é feita uma recolha e uma compilação dos seus relatos de viagem. Recebeu o nome de Lettres de Voyage. Aqui somos levados pelos caminhos do mundo e da vida de um homem que ousou viver intensamente.

© Hélder Filipe Azevedo, 2017


Categorias:Uncategorized

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

LIVRE - BRAGA

CHAMADA PARA A MUDANÇA

A CASA DOS PENSADORES

Incursões filosóficas, Jurídicas, Políticas e Afins

El vuelo de la lechuza

Publicación humanista de referencia en español

Fujifilm Corporate Blog

Explore the world of Fujifilm

The Insatiable Traveler

Travel inspiration, stories, photos and advice

QWF Writes

Quebec Writers' Federation. Two cents, once a month.

The Daily Post

The Art and Craft of Blogging

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.

%d bloggers like this: