Festa de Outono: Um Poema

FESTA DE OUTONO

Luz da noite, brilho ardente da escuridão,
A madrugada cai. Ao longe um corpo
Ora reza ora sorri
prostrado diante de um Cristo.

Sacrilégio. Ira dos dias de outrora.
No templo de Iovis o lamento impera.

Passou o tempo.

Da boca, nem silêncio nem linguagem.
Gemidos de desespero,
Sufoco das delícias tão só,
Alucinações e desespero e angústias.
A loucura do homem num êxtase orgiástico.

Maldição da noite.
Herdeiros de um panfíbio.
Ou o sopro pestilento de Adão.

Aquele jovem, pobre, vindo das entranhas de Putifar,
Não se vergou diante da vergonha,
Sorveu a força e a glória da noite.

Da sua estela imponente jorrou o néctar da vida.
Vos estis gloria et lux mundi.

São Martinho Tomás, 16.X.2016



Categorias:Poesia

Etiquetas:

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

LIVRE - BRAGA

CHAMADA PARA A MUDANÇA

A CASA DOS PENSADORES

Incursões filosóficas, Jurídicas, Políticas e Afins

El vuelo de la lechuza

Filosofía, literatura, humanidades. Revista cultural de referencia

Fujifilm Corporate Blog

Explore the world of Fujifilm

The Insatiable Traveler

Travel inspiration, stories, photos and advice

QWF Writes

Quebec Writers' Federation. Two cents, once a month.

The Daily Post

The Art and Craft of Blogging

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.

%d bloggers like this: