Festa de Outono: Um Poema

FESTA DE OUTONO

Luz da noite, brilho ardente da escuridão,
A madrugada cai. Ao longe um corpo
Ora reza ora sorri
prostrado diante de um Cristo.

Sacrilégio. Ira dos dias de outrora.
No templo de Iovis o lamento impera.

Passou o tempo.

Da boca, nem silêncio nem linguagem.
Gemidos de desespero,
Sufoco das delícias tão só,
Alucinações e desespero e angústias.
A loucura do homem num êxtase orgiástico.

Maldição da noite.
Herdeiros de um panfíbio.
Ou o sopro pestilento de Adão.

Aquele jovem, pobre, vindo das entranhas de Putifar,
Não se vergou diante da vergonha,
Sorveu a força e a glória da noite.

Da sua estela imponente jorrou o néctar da vida.
Vos estis gloria et lux mundi.

São Martinho Tomás, 16.X.2016



Categorias:Poesia

Etiquetas:

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

LIVRE - BRAGA

CHAMADA PARA A MUDANÇA

A CASA DOS PENSADORES

Incursões filosóficas, Jurídicas, Políticas e Afins

El vuelo de la lechuza

Filosofía, literatura, humanidades. Revista cultural de referencia

Fujifilm Corporate Blog

Explore the world of Fujifilm

theinsatiabletraveler.com/

Travel inspiration, stories, photos and advice

QWF Writes

Quebec Writers' Federation. Two cents, once a month.

The Daily Post

The Art and Craft of Blogging

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.

%d bloggers like this: